Vôlei de Praia | Globo Esporte | 25/01/2018 09h52

Destaque mundial, jogadora sul-mato-grossense anuncia pausa no esporte

Compartilhe:

Foram quase quatro anos juntas. A dupla do vôlei de praia Larissa e Talita, que representou o Brasil na Olimpíada do Rio em 2016, está se separando. Mas por um bom motivo! A sul-mato-grossense Talita está grávida de quatro meses e Larissa pretende aproveitar esses período para descansar e quem sabe também retomar o desejo de ser mãe. A dupla bateu um papo exclusivo com o Globoesporte.com.

Como e em que momento surgiu essa decisão da dupla? Talita já estava planejando engravidar?

TALITA: Quando nos juntamos o objetivo era o ciclo olímpico para 2016. A Larissa estava voltando com esse objetivo específico e me chamou para jogarmos. Ao longo do tempo juntas conversamos muito sobre esse meu desejo de engravidar e ficou combinado que continuaríamos jogando até a minha gravidez. Estamos numa idade que é preciso tomar logo essa decisão, principalmente em um período pós-olímpico, que é o início do novo ciclo olímpico e você consegue se afastar por um tempo da melhor maneira programada.

LARISSA: Eu já sabia do interesse da Talita em engravidar por agora. Sempre conversamos muito sobre isso até porque nós duas temos o desejo de ser mãe. Como tivemos um ótimo entrosamento como dupla, combinamos que continuaríamos jogando até acontecer. Já sabia que ela estava tentando engravidar e fiquei muito feliz por ela quando soube da notícia. Conversamos então porque ela vai precisar ficar um tempo sem jogar. Agora estou aproveitando esse momento para tirar um período de descanso maior e ver o que vou fazer daqui pra frente.

Qual foi o momento mais difícil e o mais emocionante da dupla?

TALITA: Mais difícil na verdade não tem nenhum que marcou muito. Acho que tivemos tantos momentos bons e resultados positivos que guardo apenas coisas boas. Que me lembre teve o período que me lesionei no Circuito Mundial e tive que ficar uma etapa sem jogar, no meio da corrida olímpica. Depois ainda joguei algumas etapas sentindo dor. Mas tive total apoio da Larissa e da comissão técnica e passamos por isso sem problema algum. Lembro até que após a minha recuperação ganhamos a etapa de Gstaad.

O mais emocionante sem dúvida foi jogar a Olimpíada em casa. Todo aquele clima da arena de Copacabana, poder jogar com a torcida nos apoiando e com meus amigos e familiares na arquibancada foi inesquecível.

LARISSA: Uma das coisas que mais me deixa feliz nesse tempo de parceria com a Talita é que sempre conversamos muito. Soubemos aproveitar o melhor de cada uma e estávamos sempre conversando para buscar o nosso melhor como parceiras, atletas e pessoas. Não tivemos nenhum momento complicado. O mais emocionante acho que foi nosso primeiro título. Eu estava voltando ao vôlei de praia e tivemos um resultado positivo muito rápido. Ali eu tive certeza que tinha feito uma ótima escolha em voltar a jogar com a Talita.

O que uma aprendeu com a outra (como jogadora e como pessoa)?

TALITA: A Larissa soube tirar de mim uma maior agressividade em quadra. Ela é uma excelente jogadora, com uma ótima leitura de jogo. Aprendi muito e isso foi ótimo porque o desafio de montar essa nova dupla me motivou mais ainda. Como pessoa eu aprendi muito também com ela, principalmente a conhecer uma Larissa diferente, de forma mais próxima, que eu não conhecia quando éramos adversárias.

LARISSA: Acho que o que mais ganhei com a nossa dupla foi ter mostrado para todo mundo uma outra Larissa, mais madura, menos explosiva. Quando parei era muito reconhecida pelos resultados que tive em quadra, mas agora sou reconhecida como a pessoa que sou também. Puderam ver um lado diferente da Larissa e isso me deixa muito feliz. Certamente a Talita me ajudou muito nisso, me mostrando dentro e fora de quadra com o jeito calmo e focado dela que eu poderia mostrar esse meu lado de uma maneira melhor para todos.

Vocês pensam em retomar a parceria depois?

TALITA: Não chegamos a falar a respeito. Está tudo muito recente ainda e nesse momento quero só pensar na minha gravidez. Estou treinando porque penso sim em voltar depois e claro que a Larissa é uma grande jogadora e sempre será uma provável parceira. Mas tenho que ver também quais serão os planos dela, como será a minha vida de mãe para aí sim decidir o que fazer.

LARISSA: Tínhamos combinado de jogar juntas até a gravidez exatamente porque somos uma dupla muito forte e nos respeitamos muito, como pessoa e atleta. Acho que isso prova que demos certo e o quanto gostamos do nosso time. Agora que aconteceu a gravidez estou ainda pensando o que vou fazer, até porque tenho planos futuros de engravidar também. Acho que só vamos pensar nisso depois.

Como vocês enxergam o futuro de vocês e do vôlei de praia do Brasil?

TALITA: Nesse momento continuo treinando para manter a forma. Claro que é mais leve porque estou grávida. Penso na possibilidade de voltar a jogar sim, mas só vou bater o martelo depois que tiver meu filho.

LARISSA: Estava precisando de férias, tirei um tempo pra mim e agora vou começar a pensar o que vou fazer. Ainda não tomei nenhuma decisão a respeito. Amo o vôlei de praia mas também tenho a vontade de ser mãe.

E Tóquio 2020? Não vão disputar? O que pensam à respeito? O Brasil tem chances de medalhas?

TALITA: Qualquer jogadora tem o objetivo de jogar uma olimpíada. Mesmo já tendo disputado três, se eu voltar é claro que estará nos meus planos. Mas é impossível pensar nisso agora.

O Brasil é sempre forte no vôlei de praia. Tivemos semifinalistas em todas as edições olímpicas do vôlei de praia feminino. Pós Rio-2016 aconteceram muitas mudanças de duplas, como sempre após um período olímpico. Ainda é cedo para falar a respeito. O Brasil tem excelente jogadoras e isso ajuda muito. Mas até mesmo lá fora muitas duplas mudaram. Vamos começar a entender o que podemos esperar de Tóquio agora com o início do Circuito Mundial.

LARISSA: Não é uma decisão fácil, ainda está de certa forma longe e disputei já três Olimpíadas. Não descarto, mas não tenho nada definido ainda. Até porque tenho o desejo de ser mãe. Preciso avaliar tudo com calma e tomar minha decisão. O Brasil tem muitas jogadoras boas e novas duplas se formaram. Sempre chegaremos forte em uma Olimpíada, mas é preciso avaliar um pouco mais esses novos times para apontar favoritos.

PRINCIPAIS RESULTADOS DA DUPLA:

Olimpíadas:

Juntas (2016) - quarto lugar

Separadas (melhor resultado) para Talita quarto lugar em Pequim 2008 e Larissa bronze em Londres 2012

Principais resultados da dupla:

Campeãs do Circuito Brasileiro 2015/2016 e 2016/2017

Campeãs do Circuito Mundial 2017

Campeã do World Tour Finals 2015 (EUA)

Bronze do Campeonato Mundial de 2017 em Viena (Áustria)

Bronze do World Tour Finals 2017 em Hamburgo (Alemanha)

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS